les choses sont deja assez mortes: Do ócio ao bócio.

Do ócio ao bócio.

Eu tenho preguiça dos disfarces comedidos, das bebidas fortes, das concomitâncias fracas. Eu tenho preguiça das palavras. Eu sinto no meu ósculo o ócio que desfaz onipresença. Eu sinto minhas flores mortas, tão vivas…

Já não me importo mais se as flores saem nos papéis artificializados. Preciso apenas que tais mortas saiam de mim em forma de palavras para que no meu pescoço não se desenvolva o bócio do ócio sem equilíbrio do excessivo de idéias sem grafias ou sons.

Preciso apenas, por hora, que suas sementes se espalhem. Por mais que eu saiba que flores mortas não sobrevivem, é necessário que elas conheçam a terra dos olhos alheios para que em outros possam decompor-se em idéias…

Para sempre.

Enquanto houver pétalas.

12 comentários:

  1. Bom.
    Gostei da ideia da transliteração. Ficou realmente boa.

    ResponderExcluir
  2. Durante um bom tempo procurei palavras para descrever seu texto. Não encontrei.

    Talvez porque ele tenha ultrapassado as barreiras do inteligível a atingido os sentidos de uma maneira tão direta e violenta que sinceramente não consigo descrever com letras minha sensação ao lê-lo. O mais próximo de um conceito verbal que consigo espremer de minha mente é: poesia.

    ResponderExcluir
  3. Reli, não tenho este costume, mas o fiz. Não para julgar, mas para sentir novamente o que senti da primeira vez. Inafortunadamente não obtive êxito, mas eu não sou o mesmo que era outrora, quando li da primeira vez. Logo, eu mudei muito e foi graças à sua obra que pude perceber. Merci beaucoup.

    Conheces por ventura Friedrich Hebbel? Deveria. Ele 'canta' às flores como você o fez, meio como Hemingway fazia, tão especificamente intrigante.

    Penso, logo, 'insisto'.

    ResponderExcluir
  4. Ah, fico feliz que tenha novamente visitado meu blog, monsier.

    Não conheço Friedrich Hebbel, mas vou pesquisar sobre. E lê-lo.

    Obrigada novamente.

    ResponderExcluir
  5. Opa! Mais blogueiros de São Luís?

    Join!

    =)

    ResponderExcluir
  6. Seguindo!
    http://balladofgirl.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Nós maranhenses no final das contas somos muito sábios, bom encontrar conterrâneos por aqui. (:
    Que texto absurdamente bem arquitetado, no momento que se lê é que as palavras de alguma forma vão se encaixando e ganhando sentido. Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  8. eu não canso de voltar e ler esse texto 15 vezes :~
    invejo sério seu talento com palavras. não guarde seus textos só pra você :/ publique mais, é tão bom ler por aqui <3

    ResponderExcluir
  9. Bacana... gostei do que li. Me deu saudade do meu projeto de duetos com as meninas escritoras.

    Vou acompanhar =)

    ResponderExcluir
  10. Um texto muit obem escrito que traduz em poucas palavras muitas coisas. Parabéns! Gostei muito :]

    ResponderExcluir